quarta-feira, novembro 30, 2011





LEITURAS AO VENTO ESPECIAL DE NATAL
04 DE DEZEMBRO DE 2011.

Leitor convidado : ROBERTH FABRIS (Promotor Cultural)

Livro: ÂNGELA E O MENINO JESUS

Autor: FRANK MC COURT


Ilustrador: Loren Long

Tradução: Rubens Figueiredo


Editora: Intríseca


Participação especial:

* ARAUTOS DO EVANGELHO;

* CORAL INFANTO-JUVENIL DO DEPARTAMENTO DE MÚSICA DA UEM.

Data: 04 de DEZEMBRO DE 2011 às 16h.

Local: Praça da Catedral de Maringá



terça-feira, novembro 29, 2011

FOTOS DO DIA 27 DE NOVEMBRO - GLÓRIA HARADA TORRES

QUEREMOS AGRADECER GLÓRIA HARADA, LEITORA CONVIDADA DO DIA 27 DE NOVEMBRO DO SOPRANDO HISTÓRIAS.
MUITO OBRIGADA POR SUA LEITURA E GENEROSIDADE COM AS CRIANÇAS, NA OFICINA DE ORIGAMI EM QUE FIZERAM LINDAS BORBOLETAS COLORIDAS.
ABRAÇOS À TODOS!
MARISTELA
































































PROJETO SOCIAL PARQUE DO INGÁ; AÇÃO "LIVRO VOADOR" DA SECRETARIA DE CULTURA DE MARINGÁ.

ESCOLHEMOS UMA AMIGUINHA CHAMADA GLEICIELE PARA "ESQUECERMOS" O LIVRO: A ÁRVORE DE BARTOLOMEU CAMPOS DE QUEIRÓS JUNTOS...

SE VOCÊ ENCONTRAR O LIVRO JÁ SABE:


LEIA, RELEIA E PASSE O LIVRO PARA OUTRO LEITOR


MUITO LEGAL!





domingo, novembro 27, 2011

HOJE TEM LEITURAS AO VENTO EM MARINGÁ

HOJE EM MARINGÁ FAZ UM DIA LINDO! 


VENHA SE DELICIAR COM DUAS HISTÓRIAS  LIDAS POR GLÓRIA HARADA.

“SOPRANDO HISTÓRIAS” (leitura de livro infantil)
 Leitora convidada:
GLÓRIA HARADA TORRES
 (Acadêmica de Letras)



Livro1: O REINO DAS BORBOLETAS BRANCAS
Autora e ilustradora: Marli Assunção Gomes Pereira
Tradutor: Teruyo Kajiki de Souza 
Editora: Paulinas
 Livro 2: O HOMEM QUE AMAVA CAIXAS
Autor e ilustrador: Stephen Michael King
Tradutora: Gilda de Aquino 
Editora: Brinque-Book


Data: 27 de novembro de 2011
Hora: 16:00h
Local: Praça da Catedral

sexta-feira, novembro 25, 2011

PROJETO LIVRO VOADOR EM MARINGÁ



O projeto social do Parque do Ingá, promovido pela prefeitura de Maringá, contempla a ação “Livro Voador”, em que alguns livros literários infantis estão sendo deixados em locais públicos da cidade, tendo folhetos informativos sobre o parque anexo a ele. 

A idéia é que as pessoas levem o livro para a casa, possibilitando que familiares e amigos também entrem em contato com o material. No interior do livro há uma orientação para que a pessoa, após a leitura do material, deixe-o em um local de sua escolha, para que outros também se beneficiem dele. Daí o título “Livro Voador”. Dessa forma, o Parque do Ingá e a leitura serão incentivados numa mesma ação.

Os títulos selecionados para o projeto são "A árvore", de Bartolomeu Campos de Queirós e "Menino chuva na rua do sol", de André Neves.

O Projeto Leituras ao vento recebeu quatro exemplares: dois para espalhar pela cidade e os outros dois para o acervo que ficará disponível para os nossos leitores. Então, se você, neste domingo, quando estiver se dirigindo ou deixando o nosso espaço ou simplesmente caminhando pela cidade, se deparar com um belíssimo livro infantil com o selinho deste Projeto, saiba que você foi agraciado com uma excelente leitura e também terá se tornado um colaborador desse lindo Projeto. 

Parabenizamos o Projeto Livro Voador !


Menino chuva na rua do sol
Autor e ilustrador: André Neves
Editora: Paulinas

A árvore
Autor: Bartolomeu Campos de Queirós
Ilustrações: Mario Cafiero
Editora: Paulinas

quarta-feira, novembro 23, 2011

CRISTINA SÁ literatura infantil e juvenil: "LEITURAS AO VENTO": UM PROJETO DE INCENTIVO À LEI...

CRISTINA SÁ literatura infantil e juvenil: "LEITURAS AO VENTO": UM PROJETO DE INCENTIVO À LEI...: "LEITURAS AO VENTO" é um projeto voluntário de incentivo à leitura, destinado a crianças e jovens, que acontece (quando o sol aparece), a...

Muito lindo o post que Cristina Sá fez em seu blog, Clique no link acima.

Toda forma de divulgação sobre projetos de incentivo à leitura é fundamental para universalização da Literatura.

Abraços Adah, Maristela e Wagner.

terça-feira, novembro 22, 2011

CLUBE DE LEITURA DE MARINGÁ




Eu e Wagner participamos do Clube de Leitura de Maringá (adulto) desde agosto de 2010. Gostamos muito dos encontros, pois o livro possibilita discussões divertidas, contundentes e reveladoras. Com as amizades estabelecidas, nosso clube extrapola os limites dos encontros mensais: vamos ao teatro, cinema e outras atividades culturais que a cidade oferece. Também esta se tornando regra assistirmos filmes relacionados com os livros lidos, esses encontros são deliciosamente memoráveis, quer seja pelo debate, pelas sobremesas ou pelos vinhos. 


Viva a amizade! Viva o Livro!

O livro do mês é Dois irmãos de Milton Hatoum, o encontro está marcado para o dia 03 de dezembro de 2011.

Os últimos livros lidos pelo clube desde a nossa chegada:

"O velho e o mar", de Ernest Hemingway
"Capitães da areia", de Jorge Amado
"Admirável mundo novo", de Aldous Huxley
"Vidas secas", de Graciliano Ramos

"O coração das trevas", de Joseph Conrad.
"O caso da Chácara Chão", de Domingos Pellegrini Jr..
"Pergunte ao Pó", de John Fante.
"Reinações de Narizinho, Caçadas de Pedrinho e Saci, de Monteiro Lobato.
"Romanceiro da Inconfidência", de Cecília Meireles. 
"On the road-pé na estrada", de Jack Kerouac.
"Amar, verbo intransitivo", de Mário de Andrade.
"O retrato de Dorian Gray", de Oscar Wilde.
"Helena", de Machado de Assis
"O apanhador no campo de centeio", de  J. D. Salinger


O Clube de Leitura é organizado e mantido pela biblioteca pública central de Maringá. É um grupo aberto e heterogêneo de maringaenses que gostam de ler e se reúnem uma vez por mês para trocar ideias sobre um livro previamente agendado. 

O Clube se reúne no primeiro sábado de cada mês, às 10 horas, na Biblioteca Central (Avenida XV de Novembro). É aberto a toda a comunidade.Quem quiser participar, é só comparecer. O grupo, como dito, é heterogêneo, há pessoas dos 18 aos 60 e poucos anos, das mais variadas profissões e graus de instrução, e nossos debates são feitos com respeito e consideração. Não se trata de discussões acadêmicas complicadas, cada um expressa livremente suas impressões e opiniões sobre cada livro lido. E cada um vota para escolher os próximos livros a ler. São reuniões agradáveis, e muito inspiradoras: por mais que você entenda um livro, sempre haverá alguém que viu algo que você não percebeu, ou viu de uma forma diferente.


VENHA CONHECER NOSSO CLUBE DE "AMIGOS" DA LEITURA DE MARINGÁ!




Encontro do livro: Reinações de Narizinho, Caçadas de Pedrinho e Saci de Monteiro Lobato
 (foto: Wagner) 

quarta-feira, novembro 16, 2011



O Livro Desconhecido

Estou à procura de um livro para ler. É um livro todo especial. Eu o imagino como a um rosto sem traços. Não lhe sei o nome nem o autor. Quem sabe, às vezes penso que estou à procura de um livro que eu mesma escreveria. Não sei. Mas faço tantas fantasias a respeito desse livro desconhecido e já tão profundamente amado. Uma das fantasias é assim: eu o estaria lendo e, de súbito, uma frase lida com lágrimas nos olhos, diria em êxtase de dor e de enfim libertação: mas é que eu não sabia que se pode tudo, meu Deus!

Clarice Lispector
(Tchechelnik-Ucrânia 1920-1977
Rio de Janeiro-RJ)

Retirado do blog: Prolivro In.: Reflexão sobre os livros.

terça-feira, novembro 15, 2011

RELATÓRIOS - ATUALIZANDO ...

DEPOIS DE MUITO FAZER, DIVULGAR, VIAJAR E LER. CONSEGUIMOS ATUALIZAR NOSSOS RELATÓRIOS; FORAM MUITAS VIAGENS LITERÁRIAS DELICIOSAS. 

PARA DESPERTAR A CURIOSIDADE, COLOCAMOS NESTE  POST APENAS DOIS RELATÓRIOS, O RESTANTE ESTÁ NA PÁGINA DE RELATÓRIOS DISPONÍVEL NA PARTE SUPERIOR DO BLOG.


SINTAM-SE CONVIDADOS PARA CONHECER UM POUCO MAIS DO NOSSO PROJETO !!


Projeto Leituras ao Vento

23  Relatório do dia 4/09/2011


         A idéia de fazer o Leituras desse final de semana estava centrada em se fazer um leitura direcionada aos jovens. Para isso convidamos nosso amigo ..... psicólogo e mestrando da UEM, cuja dissertação trata do problema da relação dos usuários com as drogas.
         Pensamos inicialmente em pedir a Alexandre que lesse uma história positiva, que falasse de perseverança e superação, e que permitisse que ele fizesse alguns comentários ao final, senão diretamente tocando no problema das drogas, que ao menos alertasse para a relação dos jovens com a sedução dos prazeres efêmeros, para que refletissem sobre as consequências de decisões difíceis de serem revertidas, senão com muito sofrimento para eles e para os seus.
         Porém, como iríamos receber a visita de um grupo de jovens com alguma relação com a literatura, e na expectativa de que nosso público habitual estaria presente, repensamos a idéia, e decidimos por histórias que tivessem um valor literário clássico, como histórias tradicionais ou histórias que tivessem um pouco mais de idas e vindas, contraponto, que falassem um pouco mais sobre cotidiano e convivência.
         Assim, sugerimos a Alexandre cinco títulos, dos quais ele poderia escolher uma ou mais histórias, dependendo de sua extensão, e se já não tivesse outra história em mente, é claro: “O milagre de Shiro”, in: “Lendas do Japão”, ilustrações de Edu, Edições Paulinas; “A comédia de erros”, de Shakespeare, adaptado por Mary Lamb, ilustrações de Alicia Cañas Cortázar, tradução de Márcio Godinho de Oliveira e Johnny Mafra, Editora Dimensão; “Muito capeta”, texto e ilustrações de Angela-Lago, Companhia das          Letrinhas; “Sete histórias para sacudir o esqueleto”, livro de contos da mesma autora e editora; e “De carta em carta”, de Ana Maria Machado com ilustrações de Nelson Cruz, editora Salamandra.
         A escolha de Alexandre não poderia ser melhor e mais surpreendente. Alexandre escolheu um dos contos do livro “Lendas do Japão”, mas não o que havíamos inicialmente sugerido: escolheu “O homem e a montanha”, uma história sobre o destino de cada um de nós, e a aceitação e auto-estima decorrentes desse caminho. Na história, um homem que vive de quebrar pedras observa o mundo e os seres que o rodeiam e os compara com os seus afazeres. Chegando a conclusão de que este ou aquele ser vive um destino melhor que o seu, porque superior, a seus olhos, em poder e força, ele deseja ser o ser que observa, e uma voz misteriosa atende o seu desejo. Num jogo de oposições consecutivas, o homem passa de comerciante a mandarim, e deste a Imperador, e deste ao Sol e as nuvens, terminando por fim por ser uma montanha, forte, poderosa, indestrutível. Descobre, então, que enquanto camponês quebrador de pedras, era o único ser capaz de vencer a montanha. Retorna, então, a sua antiga condição.
         É verdade que tal história dá margem a diversas interpretações, algumas que podem alimentar o comodismo e a sujeição; mas é interessante pensar que desperdiçamos, muitas vezes, a força que existe em nós, procurando destinos alternativos induzidos pelo status desta ou daquela posição, ao invés de focar e desenvolver nossos próprios talentos. Nos faz pensar também no fundamento do pensamento holístico: a parte se encontra no todo e o todo, na parte. Nossa importância no universo é maior do que imaginamos. A história também pode aconselhar a ação e a busca do conhecimento, pois foi exatamente as inquietudes e insatisfações do homem que o tornaram, depois de tantas experiências, um sábio. A alusão à voz interior que nos move demonstra isso.
         Decidida a história do “Soprando Histórias” optamos por uma estratégia diferente para promover o Leituras no domingo: direcionar nossa divulgação na Praça aos jovens preferencialmente, já que eram eles nossos expectadores privilegiados nesse dia. E foi o que fizemos.
         A tarde parecia estar colaborando com nossos objetivos. Um sol forte e muita gente na Praça, a maioria jovens. Estava ocorrendo um evento reunindo caravanas de jovens ligados a grupos católicos, uma espécie de campanha anti-drogas.
         Armamos nosso espaço rapidamente, embora eu não estivesse tão inspirado com os varais como em vezes anteriores. Adah não veio, ficou dormindo por conta de uma “festa do pijama” com colegas da escola, ocorrida em nossa casa, e que se estendeu até altas horas da madrugada, com direito a bolo refrigerantes, sucos, docinhos, correria no quintal, brincadeira com bola, guerra de travesseiros e sessão de cinema em DVD com uma hilária comédia de terror. Mas isso é outra história.
         Alexandre chegou com sua mulher, Nilda e, enquanto desfilava no espaço o seu bom humor leve e tranqüilo, eu comecei a divulgação. Fiz toda a divulgação nos arredores de nosso espaço, aproveitando os vários grupos de jovens, casais e famílias que nos rodeavam. Distribuí todo o material, falei com muita gente, da mesma forma que faço sempre. Contudo, quando retornei, o nosso público ainda não estava presente. Já passava das 16:00h e eu e Maristela começamos a ficar preocupados com o baixo número de visitantes. Alexandre, bem humorado, nos disse: “Não se preocupem. Eu leio pra vocês”! 
         Tivemos a maravilhosa visita de João Álvaro, do blog Infância em Pauta, educador social e militante do MNMMR , Movimento Nacional dos Meninos e Meninas de Rua. Álvaro veio acompanhado de sua mulher, Luciane. Ambos extremamente simpáticos, nos acompanharam durante toda a tarde, apreciando nosso Projeto e conversando sobre crianças e educação.
Também estavam presentes Fah e Luiza, nossas colegas do Projeto Brincadeiras e também militantes do movimento. Fah é mestranda em educação, e sua dissertação fala sobre o valor da opinião e participação política de crianças numa leitura sobre as necessidades de Maringá no apoio a crianças, nas áreas de educação, cultura, segurança, etc. Um abraço a Fah e Luiza, obrigado por sua presença e esperamos que apareçam mais vezes.
Também estava presente Cristina, do Clube de Leitura, pela primeira vez nos visitando no Leituras, atendendo ao nosso convite. Cristina já chegou com pinta de colaboradora: nos ajudou distribuindo o Caderno de Registros e ficou conosco até quase o final. Um abraço para a Cristina, agradecemos sua ajuda e esperamos que sua visita seja a partir de hoje uma constante.
Recebemos também a visita da família Gilberto, amigos de nossa amiga Geni, do Clube de Leitura: Ierecê, Oscar e a menina Raquel de 8 anos. Demoraram um pouco a nos encontrar, mas felizmente puderam estar conosco ainda boa parte do tempo. Conversei com Oscar e Ierecê sobre o Projeto e Oscar nos ajudou, inclusive, a desarmar as cordas para que recolhêssemos o material ao final dos trabalhos. Obrigado, Oscar e Ierecê. Voltem sempre e não se esqueçam de trazer Raquel.   
Agradecimentos também às famílias Silva, Serra, Cassemiro e a todos os que estiveram presentes conosco neste domingo.
As 16:30h decidimos não esperar mais e fizemos a chamada para o “Soprando Histórias”. Havia cerca de 15 pessoas presentes, pedimos que se aproximassem e passamos a palavra a Alexandre.
Alexandre fez a leitura com fidelidade ao texto, lenta e calmamente. Ao final, falou sobre a história e sua mensagem, recebendo os aplausos dos presentes. O cuidado e a sensibilidade de Alexandre ao escolher a história surtiu um efeito positivo, causando a narrativa boa impressão no público que o assistia.
Ao final, pedi a Fah e Álvaro que entregassem a Alexandre o nosso Certificado de Participação e o Título de Leitor Amigo das Crianças e Adolescentes da Cidade de Maringá. Foi um fechamento perfeito esta comunhão de várias pessoas muito especiais para nós. Mas dessa vez não foi o final.
Terminada a história, o grupo todo se reuniu em torno de Alexandre para conversar: eu e Maristela, Álvaro e Luciana, Alexandre e Nilda, Cristina, Angelita, Fah e Luiza. Não resisti a pedir para Alexandre que lesse para nós “O milagre de Shiro”, uma linda história sobre a bondade. Alexandre aceitou, e ficamos um pouco mais aproveitando o seu estilo leve de contar, com jeito de quem transmite as palavras direto à consciência. Alexandre ainda nos falou sobre suas viagens com Nilda pelo nordeste e também nos falou sobre o Oriente e suas impressões sobre a vida naquele canto do mundo. Fez o papel, nesta tarde, de um autêntico contador de histórias, com seu público em volta dele como curumins em volta de um velho índio.
Depois que Alexandre se foi tive uma longa conversa com Álvaro sobre educação. Ele ouviu com paciência minhas críticas à educação brasileira e o relato de minhas experiências de professor. Obrigado por me ouvir, amigo Álvaro.
Neste domingo, o principal ensinamento que tivemos foi quanto ao nosso público-alvo da divulgação. O Projeto está direcionado, como já dissemos, às crianças e aos jovens, e a presença e atuação das famílias no Projeto é essencial ao nosso objetivo, que é de resgatar e consolidar uma cultura da leitura. Mas aprendemos hoje que o público-alvo de nossa divulgação é e deve ser as crianças. São elas que pelas mãos dos pais e familiares, chegam ao nosso espaço e o enchem de movimento e alegria, fazendo-o espaço público e atraindo a atenção e a presença também de jovens, de casais e de pessoas que estão simplesmente passeando na Praça, e que se sentem à vontade para se aproximar ao ver o público ali presente, ocupando as esteiras e também inteiramente à vontade. Em outras ocasiões, como na apresentação de Hilda Carr e, mais recentemente, na apresentação do professor Hermínio Neto, os jovens estiveram presentes maciçamente em nosso espaço, sem que, nessas ocasiões, tenhamos mudado o alvo de nossa divulgação.
O encontro desse domingo também foi muito importante em outro aspecto: a presença e a interação entre amigos e colaboradores. Estiveram presentes membros do Clube de Leitura, militantes do MNMMR e do PCA e Projeto Brincadeiras, seus maridos e esposas e suas crianças. Esses momentos são perfeitos por si sós, e ainda ajudam a fortalecer a articulação e a vontade para a luta.
Foi isso. Um abraço a todos e até o próximo Leituras ao Vento.         
                                      


Projeto Leituras ao Vento

22° Relatório - dia 28/08/2011
(Praça da Catedral)


         O Projeto Leituras ao Vento chega à Praça da Catedral neste domingo depois de uma verdadeira maratona. O convite recebido pelo Projeto para participar do Programa Paraná em Ação nos levou por três dias a Sarandi, onde realizamos um trabalho diferente, extenuante, mas muito proveitoso do ponto de vista do aprendizado que nos proporcionou e da oportunidade de prestar um serviço essencial – pois assim o consideramos a leitura – para uma população que tem dificuldade de acessar serviços essenciais. Os detalhes desta aventura vocês poderão acompanhar no Relatório 21.
         Mas o fato é que, ao findar o terceiro dia da experiência de Sarandi, encerrada ao meio-dia, eu e Maristela nos permitimos apenas o tempo de almoçar em casa com Adah, aniversariando no dia, e já partimos para a Praça.
         O dia estava ensolarado e quente, e eu estava satisfeito de ter Adah novamente para me ajudar na montagem dos varais. Aprimorei a técnica que ela me ensinou e consigo montá-los já sem supervisão, é verdade, mas tê-la ao lado, com sua engenhosidade e alegria juvenil é sempre um prazer. Além disso, Maristela fica livre para ajeitar as esteiras, lidar com os livros, recepcionar convidados, etc. sem precisar se preocupar em me ajudar com os varais.
         Próximo ao nosso espaço vários grupos se fixaram. Me atrevo a pensar que o Leituras contribuiu para dinamizar esse trecho do gramado da Praça, já que antes do Projeto, em nossas visitas à Praça, o espaço era praticamente vazio.  Praticamente junto conosco chegou Ana Karina e família, que organizaram perto dali um piquenique.  O professor Hermínio Neto, nosso convidado, chegou às 15:30h.
         Tivemos um pequeno contra-tempo que atrasou um pouco a nossa divulgação. Descobrimos que nossa impressora, comprada às pressas depois da destruição da primeira por uma colônia de formigas, tem um cartucho de tinta de curta duração, e, o que é pior, se a tinta preta se esgotar ela não imprime a partir dos cartuchos coloridos. Solicitamos a Hilda – que já nos socorreu tantas vezes – que imprimisse em sua casa o Certificado e o Título, além do material de divulgação. Alguns desencontros normais fizeram com que tivéssemos acesso ao material apenas às 15:45h, motivo pelo qual resolvemos remarcar o “Soprando Histórias” para as 16:30h.
         Com a chegada de Hilda iniciamos, com sua ajuda, a divulgação. Havia muita gente na Praça e logo todo o material foi distribuído. No retorno à praça não parecia haver tanta gente, mas, quando fizemos a chamada para o “Soprando Histórias” um grande numero de pessoas se acomodou em volta do Professor Neto.
          A história de sua participação começou com uma visita nossa a um evento na Aliança Francesa de Maringá, na qual ele estava presente. Na ocasião haveria a exibição de um filme em língua francesa, “O tango de Rashevski”, uma história interessante envolvendo a vida de judeus franceses, enfocando a mudança de seus costumes e a sua relação com os costumes tradicionais a partir da emigração ocorrida no contexto da Segunda Guerra Mundial. Antes da exibição a Aliança Francesa organizou uma pequena recepção, ao jeito de festa americana, e ali pudemos conhecer os professores e alguns freqüentadores da Aliança, e nos sentimos bem acolhidos e à vontade com aquelas pessoas tão interessantes.
Foi nessa ocasião que conhecemos o professor Hermínio Neto, professor da instituição. Estávamos acompanhados de Hilda, que estuda francês na Aliança,e foi numa conversa animada com o professor, em que falamos do Leituras e da experiência de Hilda como leitora bilíngüe do Projeto que surgiu a idéia de convidá-lo para uma leitura bilíngüe. Isso foi em julho, e um longo tempo se passou até que formalizamos o convite e, a uma semana da apresentação, confirmamos a leitura que seria feita pelo professor: Le Roi de Corbeaux (O Rei dos Corvos), de Jean-François Bladé, conto pertencente a um dos volumes da grande coleção de contos tradicionais “Mille ans de contes” com ilustrações de Sorine em edição francesa da Milan.
O volume é basicamente um livro de textos, e as ilustrações, embora primorosas e de teor artístico indiscutível, são discretas e monocromáticas. O conto ocupa cinco páginas, o que não é pouco, mas não chega a ser problema para um leitor-contador habilidoso.
A história tem todos os elementos do conto de fadas tradicional: um rei, um príncipe e princesas, encantamento, magia, o bem e o mal e um caminho a ser percorrido – sem poupar sacrifícios e sofrimentos – que vai do erro à redenção.
 Na História, o Rei dos Corvos visita um reino onde vive um rei que possui um único olho no meio da testa. O rei vive em seu castelo com suas três filhas, a mais velha com trinta, a do meio com vinte e a mais nova com dez anos de idade. O Rei dos Corvos, na verdade uma ave gigante, diz ao rei que quer desposar uma de suas filhas. O rei leva a proposta às duas mais velhas, que dizem prontamente estarem comprometidas. O rei não consulta a mais nova, pois a julga ainda jovem demais para o matrimônio. Retorna ao Rei dos Corvos dizendo-lhes que nenhuma de suas filhas se dispõe a casar com ele. O Rei dos Corvos, irado, bica o único olho do rei, capturando-o e parte em seguida. As filhas, atraídas pelos gritos do pai, correm a acudi-lo, e ele lhes conta a sua desgraça. A filha mais nova diz que aceita casar-se com o rei dos corvos, e vai à sua procura, na esperança de recuperar a visão do pai.
O rei dos corvos a recebe e aceita, e concorda em esperar dez anos até que a princesa tenha idade suficiente para desposá-lo. Conta a ela que é na verdade um príncipe que foi transformado em corvo por um feiticeiro maligno, tornando-se homem apenas durante a noite, e que só se livraria da maldição no dia do seu casamento. Mas até lá a princesa, que deveria morar com ele, não deveria vê-lo, sob pena de perdê-lo e trazer grandes desgraças para ele e para si mesma. A princesa luta intimamente para vencer sua curiosidade, mas a um dia de completar os dez anos ela ergue uma vela sobre o príncipe a noite e o vê. O príncipe é um jovem belíssimo, mas nesse momento um pingo da cera quente da vela o atinge e ele acorda. Irado, a expulsa do reino e diz a ela que não volte para presenciar sua desgraça. O feiticeiro maligno então retorna e aprisiona o príncipe em um rochedo, sob a guarda de dois cães ferozes.
A partir daí começa a jornada da princesa, arrependida do que fez e disposta a recuperar o seu amor, o que finalmente consegue depois de um longo tempo e enormes sacrifícios.
Adah, ao ouvir a história, lembrou-se do mito de Eros e Psyché e eu penso que sua lembrança é perfeita. Tal como Psyché, que busca com grande sacrifício o objeto do seu amor, amparada em sua fragilidade pela assistência divina, a princesa recebe atributos mágicos que a auxiliam em sua busca e também a superar os obstáculos terríveis em seu caminho.
O professor Neto utilizou dois recursos formidáveis para contar a história: uma máscara, que utilizava para encarnar o Rei dos Corvos, aparecendo nessas ocasiões suas falas em francês; e uma flauta doce tenor, com a qual tocava uma melodia de letra variável, em que algum personagem fantástico dizia a moça de seus acertos e erros. Isso reforçou o clima de encantamento da história, e o drama da princesa em busca do seu amor arrancou suspiros da platéia presente, principalmente das moças. A interação entre o leitor-contador, que se transfigurava, tocava e cantava, e a platéia, que suspirava e cantava junto com o leitor aquela melodia triste e lamentosa, foi perfeita. Ao final, exclamações de “Que lindo!” e muitas, muitas palmas.
Após a história convidamos duas crianças para entregar ao professor Neto nosso Certificado de Participação e o Título de Amigo Leitor das Crianças e Adolescentes da Cidade de Maringá e região. Novamente muitas palmas e os nossos agradecimentos ao professor Neto, que, muito gentil, teceu um elogio público ao Projeto e falou, a nosso pedido, ao público sobre a Aliança Francesa. Passamos as informações culturais de praxe e encerramos o “Soprando Histórias”.
Registramos pouco mais de vinte pessoas no caderno de registros, número irreal em relação ao verdadeiro número de freqüentadores desse dia. Havia, com segurança quase o dobro somente durante a leitura da história. Também não tiramos tantas fotos quanto gostaríamos, embora não tenham sido poucas. Novamente ficou evidente para nós a falta de colaboradores fixos que possam ajudar no desenvolvimento dos trabalhos, dando mais atenção, por exemplo, aos registros fotográfico e escrito, liberando-nos para o atendimento ao público, ao convidado, e para a coleta de dados (observação e entrevistas) para que possamos entender melhor a natureza do que estamos fazendo e seu alcance junto ao público.  Também reiteramos a necessidade de um equipamento mínimo de som (uma caixa acústica alimentada por bateria e um microfone com tripé) e imagem (filmadora com tripé), ambos para a execução e gravação do “Soprando Histórias”.
Houve um rápido esvaziamento desta vez, mas permanecemos em nosso espaço até as 17:30h, quando encerramos. No mais, foi mais uma tarde de sucesso do “Leituras ao Vento”, e nós só temos a agradecer ao nosso público. Um abraço e até a próxima.         

          

domingo, novembro 13, 2011

Agradecimentos do Leituras ao Vento

Saudações ao vento!

Infelizmente, pela terceira vez consecutiva a natureza disse não à nossa tão sonhada festa de Halloween.
Como agora não dispomos de mais datas em nossa agenda, a festa literária do Dia das Bruxas fica adiada para o próximo ano. 
Gostaríamos, contudo, de agradecer a todos que se esforçaram para que a festa, dedicada, como não poderia deixar de ser, às crianças, acontecesse. Se por um lado capitulamos perante a vontade da natureza, por outro lado provamos que o esforço conjunto de colaboradores e divulgadores é capaz de produzir uma festa cuja expectativa alcançou um altíssimo nível. Uma festa com tantas atrações que só poderia criar a obrigação, em todos os amantes da literatura e da cultura, de que ela acontecesse no futuro, e certamente acontecerá.
Muitíssimo obrigado do Leituras ao Vento. 
E fiquem atentos à nossa agenda:
- no dia 27 de novembro teremos uma linda lenda japonesa contada por Geni Matsuda;  
- no dia 04 de dezembro teremos a nossa festa de Natal, com várias atrações;
- e no dia 18 de dezembro, fechando o Leituras ao Vento no ano de 2011, teremos o nosso dia dedicado à poesia, com a presença da poetisa Heloíza Sacco e do ilustrador Guto Stresser.


Um abraço e até o próximo Leituras ao Vento!    

sábado, novembro 12, 2011

LER É MUITO BOM!!!


Livros: incentivo deve começar cedo

Matéria publicada em: 27 de Junho de 2011
Desde os primeiros anos, a relação da criança com livros pode ser estimulada
Crédito: VINÍCIUS RORATTO

A reconhecida importância da leitura e do contato com livros, desde à infância, mobiliza, cada vez mais, educadores e pais em diversas ações junto a famílias e na rede escolar. São iniciativas que valorizam e expandem a relação da criança com a leitura, além de ensinar e orientar pais e professores.

Segundo a pesquisa "Retratos da Leitura no Brasil II", do Instituto Pró-Livro, 48% dos entrevistados não leram um livro nos três meses anteriores ao ingresso nos estudos, sendo assim declarado como não leitor. Outro dado preocupante é o fato de que 86% destes nunca foram presenteados com livros na infância.

Sônia Zanchetta, executiva da Câmara Rio-Grandense do Livro, avalia que o assunto tem recebido mais espaço. Responsável pela área infantil da Feira do Livro de Porto Alegre, explica que "os benefícios à aprendizagem e ao desenvolvimento das crianças são reconhecidos. Nossa meta é ampliar essa informação para outras famílias", revela Sônia.

Na intenção de atrair o interesse das crianças pela leitura, muitos estímulos são utilizados nas obras infantis, como grande número de imagens e ilustrações ou uso de outros materiais - como borracha e plástico. Alguns livros podem, até, ser levados para o banho. "Essas ferramentas estimulam a criatividade e a percepção das crianças, fazendo com que aumente o interesse pela leitura", assinala Sônia.

Para a coordenadora do projeto "Adote um Escritor", da Secretaria de Educação de Porto Alegre (Smed), Sandra Porto, o contato com os livros leva as crianças a desenvolver o hábito da leitura e a procurar novas obras e autores. Ela cita o interesse dos alunos no "Adote um Escritor", iniciado em 2002. A ideia é que as escolas abordem, ao longo do ano, as obras de um autor, em atividades de leitura e debate; tendo como ponto máximo o encontro da criança com o escritor.

Sandra lembra que, durante o projeto, muitos alunos acabam buscando sozinhos outras obras do autor e, até, de outros escritores; estimulando, inclusive, o envolvimento da família dos estudantes. Segundo a coordenadora, a ação tem gerado tanto interesse, que já foi incorporada a alguns calendários de escolas.

Fonte: Correio do Povo
BLOG: TUDO SOBRE LEITURA.

MNMMR- COMISSÃO LOCAL DE MARINGÁ-PR: No Brasil, ao menos três crianças se acidentam por...

MNMMR- COMISSÃO LOCAL DE MARINGÁ-PR: No Brasil, ao menos três crianças se acidentam por...: Veja matéria completa aqui... Correio Braziliense - Economia - No Brasil, ao menos três crianças se acidentam por dia no trabalho

INFÂNCIA EM PAUTA !: BRASIL NÃO SABE QUANTAS CRIANÇAS E JOVENS SÃO VÍTI...

INFÂNCIA EM PAUTA !: BRASIL NÃO SABE QUANTAS CRIANÇAS E JOVENS SÃO VÍTI...: A secretária nacional de promoção dos direitos da criança e do adolescente da Secretaria de Direitos Humanos da presidência da República, ...

INFÂNCIA EM PAUTA !: ESTADO SEGUE VIOLANDO DIREITOS DE CRIANÇAS E JOVEN...

LEIAM MAIS AQUI INFÂNCIA EM PAUTA !: ESTADO SEGUE VIOLANDO DIREITOS DE CRIANÇAS E JOVEN...: Em relatório mensal, oObservatório dos Direitos dos meninos, meninas e jovens, desenvolvido pela CasaAliança Honduras, revela a situação do...

INFÂNCIA EM PAUTA !: ALIENAÇÃO PARENTAL , ABUSO DO DIREITO DE GUARDA

LEIA MAIS CLICANDO AQUI INFÂNCIA EM PAUTA !: ALIENAÇÃO PARENTAL , ABUSO DO DIREITO DE GUARDA: Alienação Parental é expressão para designar patologia psicológica/comportamental com fortes implicações jurídicas caracterizada pelo exe...

domingo, novembro 06, 2011

CANCELAMENTO LEITURAS AO VENTO DIA DAS BRUXAS



Bem, as sacerdotisas do Tempo ainda não se decidiram sobre qual o melhor dia para a nossa Festa do Dia das Bruxas... 

Sendo assim, tivemos que cancelar a Festa novamente, pois as sacerdotisas, confusas esvoaçando nos céus de Maringá, levantaram um bocado de nuvens que respingavam um chuvisco contínuo que não nos permitia colocar os livros. Mas não desanimem. 

A festa está pronta, apenas aguardando a decisão daquelas confusas bruxinhas do Tempo. Informaremos em breve a nova data. 

   

quinta-feira, novembro 03, 2011

LEITURAS AO VENTO ESPECIAL DIA DAS BRUXAS



Projeto de incentivo à leitura, para crianças e jovens, todos os domingos das 15h às 18h na praça da Catedral de Maringá.


  
“SOPRANDO HISTÓRIAS” (leitura de livro infantil)
ESPECIAL  DIA DAS BRUXAS.

Leitor convidado : EDSON LUÍS DO VALE (Bancário)
Livro 1: ONDE VIVEM OS MONSTROS
Autor e ilustrador: Maurice Sendak;
Editora: Cosac Naify
Tradução: Heloisa Jahn


Livro 2:  CONTOS DE MISTÉRIO
Autor e ilustrações: alunos do 5° ano “B” da Escola Magnus Domini
LEITORES CONVIDADOS
CONTOS
Gabriel Koyama
A corrida do fantasma
Leticia Suemi Tomita
Os trigêmios
Rafaela C.G do Vale
O fantasma do roupão

Leitor convidado: ROBERTH FABRIS (promotor de cultura)
Livro 3: QUANDO NASCE  UM MONSTRO
Autor: Sean Taylor
Ilustrações: Nick Sharratt 
Tradução: Lenice Bueno
Editora: Salamandra

Participação especial: Acadêmicos do 3°Ano de Educação Física da UEM, com brinquedos construídos por eles!

Acadêmicos do terceiro ano do Curso de Bacharelado em  Educação Física da UEM trazem à Praça da Catedral brinquedos feitos por eles mesmo e ocupam o espaço do Leituras distribuindo muita alegria.

João Victor, Cleverson, Bruna, Paulo, Nayara, Ethiene e Renata trazem conhecimento e diversão a essa tarde arrepiante!









Data: 06 DE NOVEMBRO DE 2011 ÀS 16:00h.
Local: Praça da Catedral de Maringá